.

.

.

.

quinta-feira, 30 de junho de 2016

URGENTE: Em entrevista exclusiva casal homossexual relata as agressões que sofreram por um Policial Militar durante o São João de Riachão do Jacuípe




Sábado, dia 25 de junho de 2016, forró, alegria, shows, diversão, quadra lotada. Mas para Henrique Oliveira e Ronivon Cunha a festa não foi feliz e animada, os festejos juninos na cidade não deixaram boas saudades, pois na penúltima noite do São João ambos foram agredidos de forma brutal por um Policial Militar que estava de serviço no dia em uma guarnição que fazia a segurança dos festejos em Riachão do Jacuípe.

Tudo começou com uma simples vontade de urinar, ao chegar aos sanitários químicos que serviam aos foliões, próximo ao palco fixo, Rony e Henrique perceberam que estavam todos ocupados, viu que alguns homens seguiam para uma rua próxima, fazendo o mesmo, ambos foram para este local onde começaram a urinar como cerca de mais de vinte homens faziam.

Foi quando sem menos esperar começaram a ser agredidos por um Policial Militar que fazia ronda no local, e sem alegar nenhum motivo passou a bater no casal com cassetete e também dando puxões e murros. Mesmo pedindo por clemencia Rony apanhou e tomou diversos golpes pelo corpo junto com Henrique. O que causa estranheza no fato é que outros homens também urinavam no local e não foram abordados pelo PM.




Rony e Henrique seguiram para o Colégio Nossa Senhora da Conceição onde funcionava um ponto de apoio do Hospital Municipal, PM e Polícia Civil, lá ambos passaram por atendimento médico e em seguida foram para casa. Na segunda-feira (27) Rony e seu companheiro Henrique foram até a Delegacia de Polícia de Riachão onde registraram queixa e fizeram o exame de corpo delito.

Depois os dois procuraram a CIA independente da Polícia Militar onde o Major Teixeira, Comandante da CIA, e a Subcomandante Capitã Aparecida receberam os dois a acolheram as queixas, segundo a Capitã uma portaria foi instaurada e foi publicado um boletim interno que está sendo lido diariamente perante a tropa que assume o serviço. A Capitã ainda salientou que fatos como este não são tolerados pela corporação e que todas a providencias serão tomadas na apuração de tudo e punição dos culpados. 

O GGB (Grupo Gay da Bahia) já manteve contato com o casal e externou todo apoio aos dois, segundo Marcelo Cerqueira Presidente da entidade, este não é um fato isolado, muitos homossexuais sofrem agressões por parte de autoridades policiais e todas as vitimas devem sempre recorrer á justiça para que tenham seus direitos resguardados.


Para a Ativista LGBT e artista transformista Dion Santyago fatos deste tipo são lamentáveis, ela e pré-candidata a vereadora em Salvador, e lembra que uma de suas bandeiras será o combate a homofobia e crimes contra LGBTS. No Brasil homofobia não é crime, mas alguns políticos, principalmente os ligados a este meio, como o Deputado Jean Willys, já se movimentam para mudar este cenário e criar uma lei especifica para os crimes cometidos às minorias LGBTS. 

O casal homo afetivo jacuipense tenta voltar à rotina aos poucos, ambos receberam muito apoio nas redes sociais onde foi divulgado o acontecido, agora eles só esperam que tudo seja apurado e a justiça seja feita. Urinar em via pública é proibido por lei, mas não é motivo de dois homossexuais serem brutalmente agredidos, sendo que outros homens também faziam o mesmo delito no local.

VEJA O VÍDEO:


 

REPORTAGEM DE ALANA ADRIELLE.
Postar um comentário