.

.

.

.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

NA BOCA DO POVO: Denuncia, proprietários de terras próximas ao lixão de Riachão do Jacuípe falam dos transtornos e prejuízos causados no local



Na manhã desta terça-feira (03) nossa reportagem foi chamada até a zona rural de nosso município, assim estreando o quadro NA BOCA DO POVO da TV Verdade. O pedido de socorro vem do senhor Edegard e Terto, ambos proprietários de terrenos vizinhos ao terreno alugado para ser o “lixão” de Riachão do Jacuípe. O fato é que como o terreno já está cheio, afinal são 11 anos de depósitos de lixos todos os dias, sendo que o local começou a ser usado na gestão do ex-prefeito Lauro Falcão.

Mas foi uma promessa de campanha da atual gestora, a prefeita Tânia Matos, de que acabaria com o lixão, inclusive se comprometendo com a criação de um aterro e coleta adequados as novas exigências. Uma lei sancionada em 02 de agosto de 2010, determina ações como a extinção dos lixões do país, além da implantação da reciclagem, reuso, compostagem, tratamento do lixo e coleta seletiva em todos municípios do Brasil, principalmente na região Nordeste.


Pela lei, as prefeituras com lixões a céu aberto podem responder por crime ambiental, com aplicação de multas de até R$ 50 milhões, além do risco de não receberem mais verbas do governo federal. Os prefeitos, por sua vez, correm o risco até de perder o mandato. Esses aterros, como o de Riachão, deverão ser forrados com manta impermeável para evitar a contaminação do solo. O chorume, líquido liberado pela decomposição do lixo, deverá ser tratado. O gás metano que resulta da decomposição do lixo, que pode explodir, terá que ser queimado.

Aqui no aterro de Riachão não é o que ocorre, há queimadas sim, mas somente de lixos como papeis, plásticos, dejetos, dentre outros materiais, o que causa poluição do ar e da plantação das roças em volta, como é o caso dos senhores Terto e Edegard, que inclusive tiveram o acesso da estrada para seus terrenos fechado, isso mesmo leitores, fechado pelos entulhos e dejetos, não podendo mais passar nem se quer caminhão, piorou carro pequeno.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, nos últimos três anos foram disponibilizados R$ 1,2 bilhão para que estados e municípios realizassem o planejamento das ações e iniciassem medidas para se adequarem à nova legislação de resíduos sólidos. O município de Riachão teve a sua parte, mas até agora nada foi feito,. Sem ter mais a quem pedir socorro, os proprietários resolveram fechar o acesso até o lixão, e com isso impedir que mais dejetos e lixo sejam depositados no local.


Os vereadores Franklin Santana e José Nivaldo (Ninho) estão dando apoio aos senhores Terto e Edegard, e garantem que vão fazer valer a lei. O Ministério Público do Município e do Estado foram acionados, mas até o momento ainda não se posicionou a respeito do caso. Segundo informações o lixo produzido pela cidade estaria sento levado para Chapada e Vila Aparecida. Procurada pela nossa reportagem, nem a Prefeita Tânia Matos e nem o Secretário de Administração Valfredo Júnior foram encontrados na Prefeitura (Carj) para falar sobre o caso.

VEJA O VÍDEO:


REPORTAGEM ESPECIAL - POR ALANA ADRIELLE. 

Postar um comentário